A prancha ecológica recicla a vida

É imensa a satisfação de multiplicar as informações desse projeto com enorme fundamento. Em prol do meio ambiente saudável é que devemos agir. Aliar o esporte com preservação do planeta é importante na garantia e respeito dos direitos das gerações futuras como positivado na Lei maior.

A proximidade com a iniciativa se deu pro intermédio do Campeão Mundial de Pororoca Serginho Laus, parceiro do Blog do Naná em outras matérias. No texto que segue, ele conta como surgiu o projeto e suas possibilidades de desenvolvimento.

Bem, os deixo com a matéria na integra:

Blog do Naná: De onde surge a ideia da construção da prancha ecológica?

“A idéia nasceu do surfista profissional gaúcho; Jairo Lummertz, quando esteve morando no Hawaii. Ele voltou para o Brasil e começou a se dedicar mais para isso. Como nosso mundo é o surf, acabou que nossos caminhos se cruzaram e tive o prazer de levar para o litoral do Paraná, esse projeto inovador em que une esporte, meio ambiente e saúde. Me apaixonei e estamos com mais projetos audaciosos para 2014 e 2015.”

Blog do Naná: Fale um pouco como conheceu esse projeto.

“A primeira prancha feita de garrafa PET eu vi no site Waves.Terra. e vi que era o Jairo o responsável. Nós já tínhamos competido juntos nos brasileiros amadores e etapas do Catarinense e Gaúcho amador e na volta dele do Hawaii casou com uma conterrânea, a Carol Scorsine, que botou pilha e fez com que o projeto ganhasse força. Nisso voltamos a nos falar planejando algumas ações que acabaram dando muito certo. Unindo a experiência dos dois, achamos um caminho novo para difundir essa iniciativa no Brasil e mundo.”

Blog do Naná: Quais as iniciativas mais importantes do projeto realizadas até o momento?

” Procuramos transmitir sensações que muitas das vezes está adormecida nas pessoas. Com isso compartilhamos experiências e conhecimentos do surf, que nos proporciona realizar sonhos, ter uma consciência ecológica correta, motivar, superar, criar, reciclar, reusar e reduzir lixos (resíduos sólidos). Ações sociais trabalhando com filhos de catadores de PET e dependentes químicos em fase de reabilitação fizeram diferença e marcaram as etapas de Guaratuba e Matinhos.”

Blog do Naná: Quais resultados mais relevantes obtidos com o trabalho?

“Mais de 500 crianças prestigiaram a prancha ecológica, sendo que as de baixa renda almejavam essa oportunidade de poder pegar ondas com sua própria prancha. Com isso, estamos abrindo portas para novos praticantes do surf e SUP levando a importância da preservação da Natureza.”

Blog do Naná: Conte um pouco sobre a importância do workshop.

“As oficinas possuem uma dinâmica seqüencial. Iniciamos com palestras e histórias de como se preservar o meio ambiente. Depois damos as dicas dos materiais a serem usados na confecção das pranchas e entramos na fase de construção coletiva do equipamento, oferecendo a receita e o passo a passo da prancha ecológica para que essas pessoas possam criar seus próprios modelos. E encerra com aulas práticas e teóricas de surf e SUP.”

Blog do Naná: Na sua opinião, o surfe colabora com a manutenção de um ambiente saudável?

“Com certeza! Somos guardiões da Natureza. Dependemos de condições saudáveis para a pratica do nosso esporte.”

Blog do Naná: Quais dificuldades enfrentadas no trabalho?

“Agüentar o sol e o calor do verão o dia inteiro na praia. Além de buscar parceiros para manter essa iniciativa permanente.”

Blog do Naná: Além dessa iniciativa quais outras poderiam ser adotadas no surfe para uma melhor sincronia entre o homem e a natureza?

“Mais ações de conscientização ambiental, criar movimentos atuantes e eventos constantes. Onde há Natureza, não existe miséria.”

A primordial ação da prancha ecológica tem apoio de:

Governo do Estado do Paraná, Águas Paraná – Instituto das Águas do Paraná, UNILIVRE – Universidade Livre do Meio Ambiente, SANEPAR e SNS Fábrica de Idéias e Projetos.

Nesse sentido, quero parabenizar o idealizador e as pessoas que carregam essa missão de operar o Direito Ambiental com objetivo de melhorar a vida de crianças e adolescentes e minimizar os danos causados próprio homem ao meio ambiente.

Bem, queridos, fico por aqui. Espero que tenham gostado, até a próxima. Se for andar de skate ou surfar, não beba! Se for beber, não dirija!

nailsonjr@yahoo.com.br

Apoio:
Centenário Café, Restaurante Novo Oriente, Revista OPOP

RESPONDER

Por favor escreva seu comentário
Por favor entre com seu nome aqui