Atenção nos cuidados com o ácido retinoico

Cuidados com o ácido retinóico
Cuidados com o ácido retinóico

Ácido Retinoico:  Minha dermatologista prescreveu um creme com ácido retinoico para renovar a pele. No começo foi ótimo, mas depois tomei um pouco de sol e aí apareceram manchas na minha pele.  Por que aconteceu isso?

 

O ácido retinoico é um ótimo tratamento de rejuvenescimento. Usado regularmente, traz benefícios a longo prazo: suaviza rugas, diminui a aspereza da pele, clareia manchas. Parando de usar, os resultados desaparecem com o tempo.

O ácido retinoico também ajuda outros procedimentos rejuvenescedores. Por exemplo, um peeling facial ou alguns laseres rejuvenescedores têm resultados melhores em quem já esteja usando ácido retinoico.

Mas ele tem seus pontos negativos: pode causar irritação na pele, vermelhidão, ressecamento, descamação. As camadas externas da pele são um filtro (insuficiente, claro) à radiação solar. A descamação ou o ressecamento provocados pelo ácido deixam a pele ainda mais vulnerável aos efeitos adversos do sol. Por isso, as medidas de proteção solar devem ser mais rigorosas. Evite o sol e, quando não der, use filtro solar e chapéu. Só assim você aproveitará os benefícios desse tratamento.

Saiba mais sobre o ácido:

Ácido retinoico ou tretinoína é uma forma oxidada da vitamina A que regula as funções da vitamina requeridas para crescimento e desenvolvimento. O ácido retinoico é requerido em animais cordados que incluem todos os animais superiores de peixes a humanos. Durante o desenvolvimento dos embriões, o ácido retinoico é gerado em uma região específica do embrião que ajuda a determinar a posição ao longo do eixo de crescimento servindo como um sinalizador molecular que guia o desenvolvimento de porções posteriores do embrião. Ele atua através dos genes de crescimento, que no final das contas controla o padrão de crescimentos dos primeiros estágios de desenvolvimento.

Pesquisas recentes realizadas com fetos de frango demonstraram que o ácido retinóico possui características teratogênicas, tendo em vista que no feto analisado, houve a formação de um pseudo-membro.

A Vitamina A foi descoberta em 1913 quando cientistas suspeitaram de sua relação com manutenção dos epitélios e crescimento. Posteriormente foi confirmado que ela também era essencial para a visão. Em 1930 foi possível identificar a estrutura química do retino, que é o composto básico do grupo da vitamina A. O retinol é um álcool, que ao sofrer modificações químicas pode dar origem a uma série de outros compostos, como palmitato de retinol (que é um aldeído), tretinoína (ou ÁCIDO RETINÓICO) e vários outros. A estrutura básica da molécula, no entanto, não se altera, mantendo as características básicas da vitamina A. O ácido retinóico (ou RETINÓIDE) é uma das drogas mais eficazes no tratamento da acne. Seu uso está indicado em todas as formas clínicas, seja como terapêutica única ou como associação. A eficácia apresentada pelo ácido retinóico é explicada por algumas de suas características, como: –> facilita a eliminação dos comedões (cravos) e evita a formação de outros; –> proporciona a resolução das pápulas existentes –> mantém o estado de melhora. O ácido retinóico faz com que os queratinócitos no poro percam a coesão e soltem-sem uns dos outros à medida que atingem a camada córnea. Como as células ficam mais soltas, não ocorre hiperqueratose e não há obstrução do poro. Assim, não se formam microcomedões e a acne não consegue progredir.

Além de ter ação comedolítica, o ácido retinóico também facilita a eliminação dos comedões preexistentes, porque aumenta a velocidade de proliferação celular da camada basal. A proliferação destas novas células, mais frouxas, empurra o comedão preexistente em direção ao poro, facilitando sua expulsão. Isto ocorre tanto para comedões abertos como para os fechados.

A resolução de pápulas e pústulas preexistentes é conseguida através do aumento da reação inflamatória que ocorre no local. Aumentando o fuxo sangüíneo nas áreas onde é aplicado, o ácido retinóico aumenta o aporte de glóbulos brancos (leucócitos) para o local. Estes atuam sobre o processo inflamatório, acelerando a resolução das pápulas e pústulas. O efeito da tretinoína no folículo obstruído pelo microcomedão afrouxa a ligação entre as células da parede do folículo, permitindo que haja uma difusão, um vazamento de substâncias tóxicas (ácidos graxos livres e outras) de dentro do canal folicular para a derme. Isto causa uma irritação na derme que desencadeia uma reação inflamatória ao redor do folículo pilossebáceo. Esta reação inflamatória acaba por eliminar o microcomedão, o P. acnes e todas as condições que favoreciam o desenvolvimento da acne. Muitas vezes essa reação, que é normal e desejada, é interpretada como uma piora do quadro inicial da acne. Isto não é correto pois esta reação inflamatória é transitória e está, na verdade, prevenindo o aparecimento de novas lesões e mantendo o estado de melhora. Esta ” piora” que se observa cerca de 1 a 3 semanas após o início do tratamento com tretinoína recebe o nome de “efeito retinóide”. Todas essas reações da tretinoína se dão em nível celular. O efeito inicial, no entanto, ocorre em nível molecular.

A partir do ácido retinóico, outras moléculas foram pesquisadas e desenvolvidas, a fim de diminuir a irritabilidade e aumentar a eficácia do produto. O Adapaleno é um retinóide de última geração, criado a partir da molécula da tretinoína. Os pesquisadores foram acrescentando / retirando grupos de átomos que conferiram à molécula maior estabilidade química. Assim, o Adapaleno é mais seletivo, o que se traduz em maior eficácia clínica e menores efeitos colaterais.

Por Lucia Mandel

RESPONDER

Por favor escreva seu comentário
Por favor entre com seu nome aqui