Cuidados com os dentes de leite

Não ter boa higiene e forçar a queda dos dentes moles podem trazer problemas nos dentes permanentes

As crianças possuem 20 decíduos, ou os chamados dentes de leite. São dez na arcada superior e dez na arcada inferior. Esses dentes são formados por coroa, raiz e tecido pulpar na parte interna, conhecida como canal ou polpa do dente, sendo assim, compostos por estruturas semelhantes aos dentes permanentes, mas diferentes no tamanho e formato anatômico.

Muitas crianças se sentem orgulhosas e ansiosas quando estão prestes a perder um dentinho, mas outras podem se sentir envergonhadas

O início da troca dentária ocorre em média na faixa dos cinco aos sete anos de idade com os incisivos centrais inferiores e é uma fase que envolve grande ansiedade por parte dos pais e das próprias crianças, devido à medo, dúvidas e insegurança. Além do fator envolvendo uma nova fase de maturidade, já que a queda dos primeiros dentes acaba sendo para os mais novos uma prova de que estão crescendo e que já não são meras crianças. E aos olhos dos pais também, pode ser de difícil aceitação o fato de que seus filhos não são mais “bebês”.

Muitas crianças se sentem orgulhosas e ansiosas quando estão prestes a perder um dentinho, mas outras podem se sentir envergonhadas de ficarem “banguelas”. Os pais devem ajudar agindo naturalmente e incentivar a criança dizendo que irá cair um dentinho para nascer um “novo e bem bonito” no lugar deste, explicando que é um processo natural, que seus amiguinhos da escola também estão trocando os dentes e também ganharão uma “janelinha”. Outra ideia que pode ser usada como opção, é a mãe tirar fotos do novo sorriso para colocar no álbum de fotos, e assim, fazer com que a criança entenda que ela está evoluindo.

É importante evitar que a criança fique colocando a mão suja na boca tentando amolecer o dente, porque isso acaba levando mais microrganismos e deixando a região inflamada. O ideal é que o dente caia naturalmente, caso contrário, precisará de avaliação de um profissional.

Geralmente, os primeiros dentes a cair são os anteriores, seguidos pelos caninos e depois os posteriores, mas pode existir alterações nessa ordem. É importante salientar que os primeiros molares permanentes nascem aos seis anos de idade, atrás do último dentinho de leite (segundo molar decíduo), sem que haja a troca. Porém algumas mães ficam surpresas quando vão ao consultório e ficam sabendo que estes são dentes permanentes.

Sugerimos também:  Gosta de açúcar? os seus dentes não!

Normalmente o que faz o dente de leite cair é a pressão exercida pelo seu sucessor permanente, sendo que ele poderá aparecer logo em seguida ou em até um mês depois. Nos casos mais demorados, pode estar ocorrendo por falta de espaço para o dente que está nascendo ou devido a gengivas muito fibrosas, e então, deve ser acompanhado de perto por um profissional especializado, pois podem ter outros fatores impedindo os dentes de erupcionar corretamente.

O processo da perda dos dentes de leite ocorre naturalmente e de maneira fisiológica por meio de reabsorção da sua raiz pelo dente permanente que irá erupcionar em seu lugar. Muitas vezes eles caem durante a alimentação, escovação ou até mesmo sozinho. Se os dentes estiverem em sua correta posição e com espaço adequado na arcada, o dente permanente segue um determinado caminho de erupção de encontro à raiz do dente de leite de modo que vai gradualmente estimulando sua reabsorção, até que toda a raiz que está inserida no osso seja perdida. Assim o dente decíduo vai tendo sua mobilidade aumentada até que acaba permanecendo somente a coroa inserida na gengiva.

É comum, portanto, ter um leve desconforto gengival acompanhado de um pequeno sangramento na região que envolve o dente que está prestes a cair ou após a perda dentária. Neste último caso, pode ser feita um bolinha de algodão ou gaze para que a criança fique mordendo por 5 minutos até que cesse o sangramento. É muito importante que os pais entendam que é um processo natural e mantenham a calma e a serenidade para que a criança não fique nervosa ou apreensiva.

Em alguns casos, os dentes podem encontrar alguma dificuldade para cair e isso pode estar relacionado a diversos motivos, entre eles:

  • Perda do caminho de erupção do dente permanente, que acaba por não reabsorver por completo a raiz do dente decíduo
  • Arcada muito pequena e/ou estreita, em que os dentes não tenham seu devido espaço
  • Falta de estimulo mastigatório do dente em questão
  • Forte inserção de fibras gengivais.
Sugerimos também:  Gosta de açúcar? os seus dentes não!

O estímulo do dente através da mastigação de alimentos duros e fibrosos auxilia esse processo e é importante para que tudo ocorra na sua correta cronologia. Em algumas situações pode ser necessário a intervenção de um odontopediatra para auxiliar nesse processo e com um exame clínico e/ou radiográfico irá avaliar a indicação de fazer a remoção dentária com o uso de anestésicos.

A higiene e os cuidados necessários

A importância da boa higiene mesmo nos dentes que estão com muita mobilidade e prestes a caírem também deve ser ressaltada. Isto é significativo para que a criança não fique incomodada devido a uma possível inflamação acompanhada de sangramento gengival no local e para proteção dos dentes permanentes contra cáries. Os dentes permanentes também devem receber cuidados especiais, porque são dentes que ficarão para a vida toda.

Os dentes de leite podem cair antecipadamente, fora do período normal, por causa de algum trauma na região, por quedas, ou batidas na face ou até mesmo por lesões de cáries. Esses casos devem ser avaliados e acompanhados por um profissional, pois podem causar uma série de problemas como alteração na posição de língua atrapalhando a fala, mastigação e deglutição; perda do espaço ideal para o dente permanente, causando problemas nos encaixe das mordidas; acarretar em algum dano psicológico na criança por ficar sem os dentes antes da fase em que os amigos ficarão e muitas vezes ao se sentirem envergonhadas, ficam inibidas socialmente.

Por isso, a minha dica fundamental é que a criança tenha um acompanhamento profissional desde os seus primeiros meses.

Colaborado por Fabiola Bernardeli Lanfredi | Fique de Boa

RESPONDER

Por favor escreva seu comentário
Por favor entre com seu nome aqui