Estou com Paralisia de Bell. E agora?

[intense_dropcap ]C[/intense_dropcap]alma… a Paralisia de Bell (ou Síndrome de Bell) é uma anomalia do nervo facial (também chamado de VII Nervo Craniano). Quem é acometido por essa paralisação percebe uma fraqueza súbita ou até mesmo uma paralisia nos músculos de um lado da face. Mesmo não tendo uma causa bem definida, a Paralisia de Bell pode ser desencadeada, por um edema do nervo facial como reação a uma infecção viral, a uma compressão ou ainda a uma falta de fluxo sangüíneo.

Sintomas

Os principais sintomas da Paralisia de Bell aparecem de forma repentina e comumente são descritos com dor atrás da orelha algumas horas antes de ocorrer a fraqueza muscular. O grau de fraqueza pode variar de modo imprevisível, de discreto a grave, mas sempre afeta apenas um lado da face. O lado paralisado torna- se sem rugas e inexpressivo, mas, freqüentemente, o indivíduo tem uma sensação de que sua face está torcida. Ainda é comum que os indivíduos acometidos apresentem dormência ou uma sensação de peso no rosto, mas a sensibilidade na realidade permanece normal. Quando a parte afetada é a região superior da face, o indivíduo pode apresentar dificuldade para fechar o olho do lado afetado. Raramente, a paralisia de Bell interfere na produção de saliva, no paladar ou na produção de lágrimas.

Diagnóstico

Embora um acidente vascular cerebral também possa causar uma fraqueza facial súbita, ele afeta somente a parte inferior do rosto. Além disso, um acidente vascular cerebral (derrame) acarreta fraqueza do membro superior e do membro inferior (braço e perna). O risco de desenvolver paralisia de Bell é maior em pessoas que tem diabetes, estão grávidas, tem alguma infecção renal ou uma predisposição genética ao problema. Outras causas de paralisia do nervo facial são raras e, normalmente, manifestam-se lentamente, neste caso deve-se procurar a orientação de um neurologista.

Atenção: A paralisia de Bell não é o resultado de um AVC ou um ataque isquêmico transitório (AIT). Apesar de essas doenças causarem paralisia facial, não há nenhuma ligação entre elas e a paralisia de Bell. Mas a fraqueza repentina que ocorre em um lado de seu rosto deve ser examinada por um médico imediatamente para descartar essas causas mais graves.

Tratamento

Não existe um tratamento específico para a paralisia de Bell. Alguns estudiosos acreditam que corticosteróides (p.ex., prednisona) devem ser administrados antes do segundo dia após o surgimento dos sintomas e a sua administração deve ser continuada por uma a duas semanas. Não foi demonstrado que esse tratamento é eficaz no controle da dor ou que ele melhora as possibilidades de recuperação. Se a paralisia dos músculos faciais impedir o fechamento completo do olho, deve-se evitar o seu ressecamento. É recomendada a utilização de colírios lubrificantes, utilizados em intervalos de poucas horas e pode ser necessário o uso de um tampão ocular. Nos indivíduos com paralisia grave, a massagem dos músculos enfraquecidos e a estimulação dos nervos podem ajudar a evitar a contratura dos músculos faciais. Se a paralisia persistir por seis a doze meses ou mais, o cirurgião pode tentar o enxerto de um nervo sadio (habitualmente retirado da língua) no músculo facial paralisado.

O tratamento fisioterapêutico também pode contribuir coma melhora dos sintomas pois nas sessões de fisioterapia o indivíduo deverá realizar exercícios com os músculos faciais como por exemplo franzir a testa, mandar um beijo, sorrir mostrando o maior número de dentes possível e fechar os olhos com força. Estes exercícios são importantes para fortalecer a musculatura facial e melhorar o aporte sanguíneo do nervo que gerou a paralisia.

Prognóstico

No caso de uma paralisia parcial, a recuperação completa pode ocorrer em um a dois meses. Se a paralisia for total, o prognóstico é variável, apesar da maioria dos indivíduos recuperaremse completamente. Para determinar a probabilidade de recuperação completa, o médico pode examinar o nervo facial através da estimulação elétrica. Pode acontecer, à medida que o nervo facial se recupera, a formação de conexões anormais, acarretando o surgimento esporádico de movimentos inesperados de alguns músculos faciais ou o lacrimejamento espontâneo dos olhos.

Por Pablo Albuquerque

5 COMENTÁRIOS

  1. gostaria de saber qual a causa da paralisia facial de repetição, pois tive nove vezes sendo oito do lado esquerdo e uma do lado direito, queria saber de algum tratamento pode melhorar a sequela, já usei botox e não teve bom resultado já fiz fisioterapia em todas as vezes que tive as crises tomei corticoides e vitamina b nao resolveu quase nada, peço que me orientem qual o melhor tratamento?

    • Olá Ana Maria. Bem o seu caso é um pouco mais específico por se ter se repetido com frequência. Primeiro vamos adimitir que o diagnótico está correto… nesse caso todos os esforços devem se voltar para investigar qual a fragilidade que está permitindo isso. Pois em relação ao tratamento todos os recursos corretos estão sendo utilizados. Investigações mais específicas (até em nível histológico – estudos dos tecidos e células) devem ser realizados a fim de descobrir onde a porta está aberta. Espero ter ajudado e nos mantenha informados, a sua dúvida ajudará à outras pessoas.

  2. gostaria de saber qual melhor tratamento para paralisia facial de repetição pois ja tive 9 vezes e tenho sequelas, ja usei botox e nao deu certo, tomei corticoides, vitamina b e fiz fisioterapia e nao resolveu muito.

RESPONDER

Por favor escreva seu comentário
Por favor entre com seu nome aqui