Existe vida fora da internet?

Vida fora da Internet
Vida fora da Internet

Checar o Facebook e o Twitter o dia todo e bater papo no WhatsApp nas horas vagas é coisa do passado. A moda agora é o Jomo, sigla que está bombando nos Estados Unidos e significa “joy of missing out” (prazer em ficar por fora). E já desbancou a expressão Fomo, famosa por significar o oposto: “fear of missing out” (medo de ficar por fora). Aquele sentimento que temos, ao olhar a timeline, de sempre estar perdendo alguma notícia essencial ou de que a vida dos amigos é muito melhor do que a nossa. Um número cada vez maior de pessoas está descobrindo que é muito mais divertido aproveitar a própria vida do que acompanhar virtualmente a dos outros (e ter a sua acompanhada).

A foto do cachorro da amiga é fofa, mas o seu bichinho de estimação é mais. Preparar o jantar vai ser mais eficaz para matar a fome do que olhar o check-in do colega em um restaurante. E qual o sentido em ficar lendo os comentários sobre uma festa enquanto você está em outra? Ou, pior, correr o risco de perder o emprego por causa do Facebook? “As redes sociais são os vilões da produtividade. Nosso cérebro demora a retomar a concentração quando interrompido. Resultado: o desempenho cai”, diz o psiquiatra Cristiano Nabuco, de São Paulo.

Sugerimos também:  Brechós virtuais viram febre em redes sociais

Os adeptos do Jomo aprenderam a usar a internet de forma mais inteligente: ler notícias, saber do trânsito, fazer transações bancárias – e até checar o Face, por que não? Mas só quando estiver com tempo livre e sozinha. “As tecnologias não são inimigas. Elas facilitam nossa vida e ajudam na comunicação. O problema é o mau uso”, diz a psicóloga Rosa Maria Farah, de São Paulo. As perguntas que devemos nos fazer para descobrir se estamos acertando são: “Está me acrescentando?” e “Prejudica meu trabalho ou convívio social. À medida que as pessoas começam a fazer isso, cada vez mais gente volta a olhar para o mundo sem a interferência de uma tela.

1. Você está num bar com os amigos e o ambiente é tão legal que não dá para parar de postar fotos.

  • É exagero! – Em vez de aproveitar o tempo para contar as novidades aos amigos, fica abduzida pelo mundo virtual.
  • Mas é ok – Tirar fotos. Afinal, é ótimo ter esses encontros registrados. Só não perca um tempão escolhendo o melhor filtro do Instagram para postar as imagens. Publique mais tarde, quando chegar em casa.

2. Em vez de trabalhar ou fazer o relatório da faculdade, você fica bisbilhotando seu feed do Facebook e curtindo as fotos do Instagram.

  • É exagero! – Se não parar de interromper o que está fazendo, vai terminar a tarefa ainda mais tarde. Vale mesmo a pena varar a madrugada?
  • Mas é ok – Estabelecer pequenas regras. Prometa focar no trabalho da faculdade e ficar pelo menos duas horas sem olhar o Facebook. Sim, você só poderá entrar depois desse tempo. Não cumpriu? Castigo. Duplique o período sem acessar.
Sugerimos também:  Exposição amorosa nas redes prejudica a paixão

3. Você vai ao seu show preferido e grava absolutamente TODAS as músicas pelo tablet, smartphone ou câmera.

  • É exagero! – Enquanto registra tudo pela câmera, você deixa de viver a emoção do momento. Em vez de curtir o show, passa boa parte do tempo conferindo o resultado das filmagens. Neste caso, não seria mais fácil ver tudo pela TV, no conforto da sala da sua casa?
  • Mas é ok – Mesmo se você estiver na área vip, sua filmagem jamais será melhor que a do DVD lançado após o show ou da sua exibição em algum canal de TV. Se pagou pelo ingresso e está lá, frente a frente com a sua banda preferida, simplesmente aproveite e dance! Existe memória melhor?

FiquedeBoa

RESPONDER

Por favor escreva seu comentário
Por favor entre com seu nome aqui