Gordura trans: conheça os riscos

A gordura trans, encontrada em alimentos industrializados, teve origem no início do século passado para substituir a gordura animal, dar mais sabor, conservar por mais tempo e melhorar o visual dos alimentos. Estudos recentes comprovam que o excesso desse tipo de gordura é o mais prejudicial à saúde. O que é então a gordura trans e quais os riscos de seu consumo?

Ela é composta por ácidos graxos insaturados. Um óleo encontrado na natureza, por exemplo, possui os átomos distribuídos em posição paralela. No entanto, quando é submetido ao tratamento industrial de hidrogenação, a estrutura química do óleo é modificada, fazendo com que os ácidos graxos fiquem com os átomos em alinhamento transversal – que fazem parte da confecção da gordura trans.

A quantidade de gordura trans que deve estar presente na alimentação é um grande debate. Apesar de ser prejudicial, a Organização Mundial de Saúde (OMS) indica um consumo mínimo de 1% das calorias diárias. Alguns produtos podem possuir até quatro gramas por porção, o que elevaria em cinco vezes o consumo diário recomendado pela OMS. De uma maneira geral, no entanto, a grande indústria já se conscientizou sobre os problemas deste excesso, reduziu e vem reduzindo cada vez mais as quantidades de gordura trans presentes em seus alimentos, tirando do mercado, inclusive, os produtos que a possuíam em excesso.

Sugerimos também:  Metais tóxicos são encontrados em batons

Se pensarmos em um adulto que deve consumir 30% de gorduras por dia, de acordo com a ingestão diária recomendada, devemos considerar que 1% dessa quantidade virá da gordura trans, o que corresponde ao consumo de 0,8 gramas da substância por dia. Já uma criança, que possui uma recomendação de ingestão diária menor do que a de um adulto teria de ingerir no máximo 0,6 gramas de gordura trans.

A consequência deste alto consumo pode ser o aumento dos níveis de colesterol ruim, o LDL, e a diminuição do colesterol bom, HDL, elevando o risco de aterosclerose, infarto e acidente vascular cerebral. Mas o mais importante é que as pessoas reflitam sobre o que comer e quando comer. Um prato de arroz, feijão e bife pode ter a mesma quantidade de proteínas e vitaminas que um hambúrguer, por exemplo. O problema está, na realidade, na quantidade de maionese, ketchup e mostarda utilizada. A escolha e a reflexão sobre o consumo adequado e consciente destes e de qualquer alimento é a chave para uma alimentação correta e balanceada.

Sugerimos também:  Saiba quando a timidez é um problema sério e conheça as atitudes para superá-la

Gordura trans escondida

Uma pesquisa realizada pela Universidade Federal de Santa Catarina listou 23 ingredientes que podem conter a gordura trans. Confira:

Gordura de soja parcialmente hidrogenada
Gordura hidrogenada
Gordura hidrogenada de soja
Gordura parcialmente hidrogenada
Gordura parcialmente hidrogenada e/ou interesterificada
-Gordura vegetal hidrogenada
-Gordura vegetal parcialmente hidrogenada
-Hidrogenada
-Margarina vegetal hidrogenada
-Óleo de milho hidrogenado
-Óleo vegetal de algodão, soja e palma hidrogenado
-Óleo vegetal hidrogenado
-Óleo vegetal líquido e hidrogenado
-Óleo vegetal parcialmente hidrogenado
-Creme vegetal
-Composto lácteo com gordura vegetal (2º ingrediente gordura
vegetal)
-Gordura
-Gordura vegetal
-Gordura vegetal de girassol
-Gordura vegetal de soja
-Margarina
-Margarina vegetal
-Mistura láctea para bebidas (3º ingrediente gordura vegetal)

Fonte: MinhaVida | Fique de boa

RESPONDER

Por favor escreva seu comentário
Por favor entre com seu nome aqui