Jovem no facebook melhora o astral de quem faz quimioterapia

Jovem no facebook melhora o astral de quem faz quimioterapia
Jovem no facebook melhora o astral de quem faz quimioterapia

Depois de receber o diagnóstico de câncer, a primeira sensação, em geral, é de choque. Já a segunda reação depende muito de cada pessoa. Algumas acreditam que não vão superar a doença e ficam melancólicas, enquanto outras se tornam mais proativas e buscam formas de lidar com o problema. Quem segue Flavia Flores pelo Facebook sabe que ela faz parte do segundo grupo.

Ela é de Florianópolis (SC), tem 35 anos, um filho adolescente, e descobriu no ano passado ter câncer de mama. Saudável, jovem, sem histórico de doença na família, o diagnóstico foi um baque para ela e todos ao seu redor. “Tive medo quando descobri,  tanto medo que mal conseguia respirar de tão chocada que fiquei! Surtei. Eu me senti frágil e desprotegida. Chorei durante dez dias”, confessa.

Tudo começou quando ela sentiu um caroço durante um autoexame. Estava em São Paulo, trabalhando no mercado de moda. Porém, como havia feito uma cirurgia de aumento de seios na juventude, em sua cidade, e uma das próteses havia rompido, resolveu voltar para lá e procurar seu médico.

“Ele dizia que pela minha idade e meu histórico familiar não seria nada, mas durante a troca de implante, tirou o cisto e pediu uma biópsia”, conta ela. Como tudo foi bem com a substituição, ela esqueceu o assunto. Porém, dez dias depois o médico ligou e disse que precisava vê-la.

Começava aí sua luta contra a doença. “É surpreendente a força que você encontra dentro de si após levar o susto. Aconteceu, é um fato. Daí, me dei conta de que meu cabelo iria cair,  como também meus cílios. Eu pensava que não ia conseguir!  Preferia morrer a ter que fazer quimioterapia!”, desabafa.

Sugerimos também:  Blogueira alerta sobre cuidados de beleza para quem faz quimioterapia

Seu médico recomendou que fosse retirada a mama, mas a reconstrução só seria feita no fim do tratamento. Em sua imaginação, ela se via “careca e sem uma mama”. Porém, quis ouvir outra opinião e procurou um especialista.

“Queria alguém moderno e encontrei. Minha mastologista e meu cirurgião plástico têm a mesma idade que eu, são antenados e sensíveis. Meu oncologista é o melhor!”, diz ela.  Suas duas mamas foram retiradas e, no mesmo dia, colocadas próteses de silicone próprias para pacientes de câncer.

Nada na internet

Logo no início do tratamento com quimioterapia, previsto para ir até maio de 2014, ela começou a procurar sites que trouxessem dicas para pessoas na mesma situação que ela. E não encontrou nada. Pensando nisso, criou sua própria página no Facebook, “Quimioterapia e beleza”.

“Não gasto muito tempo pensando se o câncer vai voltar ou se está se espalhando. Estou, sim, muito mais preocupada com as outras cats, como chamo minhas seguidoras, espalhadas pelo mundo, que visitam minha página e lá encontram ideias, inspiração e muita alegria”.

Ela conta que sua fanpage mostrou para a família e amigos o quanto era forte ao enfrentar a doença, de forma tão explicita: “Todos se admiraram. Passei a receber carinho de pessoas que eu não conhecia, de todos os lados e isso me encheu de alegria!”.

Mesmo assim, admite que se sentia muito só. “É um processo solitário. Porém, ter minha família unida perto de mim foi lindo, pois há muito tempo não tinha todos juntos e sempre senti falta disso”, conta ela, cujos pais estão separados desde que era criança.

Sugerimos também:  Quem nós excluímos do Facebook?

Ela diz que seu filho, que tem 20 anos, manifestou sua serenidade e solidariedade dormindo na mesma cama nos primeiros dias para confortá-la. “Ele não se desesperou. Pelo contrário. Falava do ator Reynaldo Gianecchini, que passou por tudo isso e está aí numa novela. Ele vivia me lembrando que o ‘câncer não é um bicho de sete cabeças, quando descoberto a tempo'”.

Suas amigas estão sempre presentes. “Ter uma pessoa ao nosso lado ajuda muito”, frisa. Já o namorado, que costumava lhe passar segurança, mesmo morando longe, desapareceu quando as sessões de quimioterapia começaram.

Muitas de suas seguidoras relatam que o mesmo aconteceu a elas: serem abandonadas após o início do tratamento. “Daí em diante, no meu caso, ele nunca mais atendeu aos meus telefonemas. Porém, outra pessoa apareceu em minha vida, que me conheceu já sem cabelos, dá muita força e me faz muito feliz! Pena que mora longe também.”

Sobre a página

Graças ao suporte da família, ela diz que pode se dedicar à causa. Todos colaboram como podem e, assim, ela diz encontrar paz suficiente para contar sua história e servir de incentivo para tantas mulheres vivendo a mesma situação. “Autoestima elevada para mim é o segredo de um tratamento quimioterápico bem sucedido, sem sofrimento, sem pena de si mesmo, com feminilidade, sensualidade, bom humor e muita vaidade”, assume.

Cármen Guaresemin

RESPONDER

Por favor escreva seu comentário
Por favor entre com seu nome aqui