O esporte que chegou para ficar.

Olá queridos leitores,

Dessa vez, procuro descrever minha satisfação ao escrever e publicar matéria sobre o Skate no Sertão para o Blog do Naná aqui no Fique de Boa, desse modo, quase automaticamente fui linkado por intermédio das redes sociais com família Wow Sails.

Veja o tutorial do produto. Curioso e de se admirar, é com a força que tem essa ferramenta virtual: “mando bala” de João Pessoa, o site é de Brasília e, imaginem?, sou chamando por Wow Sails Maranhão e Wow Sails Rio Grande do Sul (sede) pela forma com que desenvolvo o amado trabalho. Muito legal.

Pois bem, em pouco tempo, recebi pelas mão do Longbrother Otto, a vela (pipa) da Wow Sails para teste e posterior produção de matéria. Fiquei surpreso com a tecnologia e lendo matérias anteriores confirmei o motivo da surpresa trata-se de um novo esporte, uma nova maneira de andar de skate.

Conhecendo um pouco da historia da invenção, não foi difícil lembrar meus alunos de Direito Empresarial na parte que menciono sobre marcas e patentes. Percebam a seguir, os requisitos da patenteabilidade: a novidade e a aplicabilidade industrial.

O CRIADOR

O empresário Thomas Burger da Wow Sails, skatista, arquiteto renomado no Rio Grande do Sul, apaixonado pelo mar, criou o esporte quando reaproveitou a vela de um veleiro oceânico de seu domínio. Ele transformou a vela do veleiro no toldo de seu sitio. Tempos mais tarde, observando a possível relação do toldo (vela) com o skate, cortou um pedaço de 2,0X1,0 m. do referido material e o pôs ao vento para ver qual era a tração. O teste foi positivo, ainda bem.

O design ficou por conta do estilo asas de avião na intenção do praticante melhor circular entre as pessoas.

MINHA EXPERIÊNCIA WOW PADDLE

Particularmente, diante do novo, minha observação da natureza se ampliou, antes observava apenas a falta do vento que favorece o aumento do tamanho das ondas, hoje fico atento a presença do vento. Quanto mais vento melhor para esse esporte. Nesse sentido, não estamos em bom momento em João Pessoa, a temporada de vento está chegando.

Diante desse fator, o uso da vela foi sendo direcionado por instinto ao Stand Up Paddle, meu verdadeiro teste até o momento. A experiência foi muito legal, aconteceu a primeira no Dick Cabedelo. Por insight, eu e Juliano olhamos para o SUP e a vela e, logo fizemos o casamento. O primeiro a subir na prancha foi ele. A facilidade para ir a favor do vento era notória mas a volta, pela falta de pratica com esportes com vela, sofrida. Não saber orçar, dificultou na saída da água. Em seguida, foi minha vez, daí pude perceber a adrenalina, o SUP pegou velocidade e logo estava distante da margem. O remo ficou pelo meio do caminho mas a emoção valeu. O difícil foi a volta, cheguei exausto, feliz da vida pelo pioneirismo mas chateado de ter perdido o remo. Com o remo reposto, ficou a boa sensação de ter se lançado a algo novo.

O segundo momento ocorreu recentemente na praia do Madeiro , no Distrito da Pipa-RN. Esse foi mais calculado, estudei a direção do vento, esperei ficar sentido paralelo a areia do mar. Nesse dia, eu filmei e fotografei (foto destacada do filme da Gopro) e Alex Macieira (instrutor e fotógrafo de surfe) quem desfrutou do velejo Wow Sails, o vento no sentido certo, eliminou o remo, e o SUP (ecosurfschool) andou a extensão da praia inteira, a vela se destacou no horizonte, as pessoas da praia ficaram atentas ao movimento do fotógrafo. Foi muito legal vê-lo saindo contente do mar.

Agora é aprimorar a técnica e o objeto. Outro conceito dentro do estudo do Direito Empresarial, característica do Modelo de Utilidade, aperfeiçoar para melhorar a qualidade de vida de quem utiliza o produto. Nesse sentido, proponho a criação de um engate para o remo no Wow Sails para facilitar na hora de orçar (retornar).

Nesse sentido, convém questionar: O Wow Sails trouxe algo novo para o skate e para o SUP promoveu algo novíssimo?

Sim, conforme matéria do Jornal Diário do Nordeste, essa experiência já havia ocorrido com os supistas cearenses Gustavo Foerster e Ygon Maia que como nós ficaram impressionados com a invenção e o quanto a ideia pode se desenvolver.

VALORIZAÇÃO

Acreditar no desconhecido quando é relacionado a vida saudável faz sentido. É hora do maior numero de pessoas ter essa experiência. Parabenizar Thomas pela coragem e visão empreendedora, assim como agradecer por acreditar em nosso trabalho. A ação é fundamental para desenvolvimento do próprio ser humano e da indústria brasileira relacionada aos esportes radicais.

Essa é a primeira das matérias sobre esse novo esporte de pedigree brasileiro. Mais uma razão para difusão. Em breve publicarei a experiência no Wowskate.

Bem, queridos, fico por aqui. Espero que tenham gostado, até a próxima. Se for andar de skate ou surfar, não beba! Se for beber, não dirija!

nailsonjr@yahoo.com.br

Apoio:
Centenário Café, Restaurante Novo Oriente, Revista OPOP

RESPONDER

Por favor escreva seu comentário
Por favor entre com seu nome aqui