O preço da sua cerveja

O preço da sua cerveja
O preço da sua cerveja

Ainda este ano, o preço das bebidas frias, como água, refrigerante, isotônico e cerveja, vão sofrer um aumento de até 5%, refletindo o aumento do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) – recentemente anunciado pelo governo.

A previsão é do presidente da Abir (Associação Brasileira das Indústrias de Refrigerantes e de Bebidas Não Alcoólicas), Herculano Anghinetti, que ressalta que o aumento das alíquotas é negativo tanto para o setor quanto para o consumidor.

Contrapondo as previsões da Abir, na última quinta-feira a Receita Federal informou que o preço dos produtos deve sofrer alta de 2,85% por conta do IPI.

Anghinetti explica que as empresas que fazem parte da indústria de bebidas frias estão fazendo seus cálculos, mas, inevitavelmente, o aumento do imposto vai ser repassado para o consumidor. “As fabricantes não têm margem para absorver um custo desse”, explica. O imposto implica em um aumento de R$ 3 bilhões em arrecadação.

Sugerimos também:  Gravidez após os 40 passa de 5% para 16% nos últimos 40 anos

O presidente ainda explica que o aumento é ruim para toda a sociedade, pois dá início a um problema estrutural. “Com o aumento do imposto, as empresas repassam para o consumidor; O aumento nos preços faz as vendas caírem, com queda nas vendas a receita das empresas também cai o que pode motivar corte de investimentos e até de mão de obra”.

Mas não só as grandes empresas do setor que serão impactadas. O decreto que trata do aumento do IPI também estipula o fim da isenção de 50% do IPI de bebidas a base de frutas. Antes da medida, os produtos que continham suco de frutas na sua fórmula tinham tal isenção.

Sugerimos também:  Gravidez após os 40 passa de 5% para 16% nos últimos 40 anos

Essa medida vai afetar, principalmente, os pequenos produtores de todas as regiões do país. “As pequenas empresas vão sofrer muito mais com isso”, diz. O que acontece é que esse tipo de produto – a base de suco de frutas – é parte muito importante da receita das pequenas empresas, “corresponde a mais de 70% do mix de produtos”, diz Anghinetti. Nas grandes empresas, esses produtos já não têm tanta representatividade.

Fonte Blog do Argentino| FiquedeBoa

RESPONDER

Por favor escreva seu comentário
Por favor entre com seu nome aqui